Equidade e Diversidade

+A -A

O Programa

O Programa de Equidade e Diversidade da Eletros foi criado para dar continuidade ao extinto programa Pró-Equidade de Gênero e Raça que foi uma iniciativa do Governo Federal, através da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – SPM/PR e do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, que tem por finalidade o desenvolvimento de concepções e procedimentos na gestão de pessoas e na cultura organizacional, para alcançar a equidade de gênero no mundo do trabalho.

O programa contou com 6 edições, desde a sua criação no ano de 2005. A Eletros participou do programa desde a sua 3º edição, sendo premiada com o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça em todas as edições.

O Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça destacava as organizações comprometidas com a justiça social, a igualdade de gênero, etnicorracial e o trabalho decente, conjugado a lógica do exercício dos direitos com a lógica dos negócios, considerando que a igualdade entre homens e mulheres constitui um pilar fundamental da gestão organizacional e do êxito empresarial.

 

 

Selos Conquistados

  • Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça 5ª edição
  • Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça 4ª edição
  • Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça 3ª edição

Notícias

Filmes sem elenco diverso estão lucrando menos em bilheteria, diz estudo

Uma pesquisa feita pela UCLA mostrou que longas recentes não-representativos deixam de ganhar até 130 milhões de dólares

A tentativa de aumentar a diversidade no cinema segue em alta, e um novo estudo indica que, além de atender às reivindicações sociais, a representatividade exerce uma influência positiva nas bilheterias. A pesquisa, feita pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), analisou 109 filmes, entre 2016 e 2019, e concluiu que um elenco diverso em gênero, etnia e orientação sexual melhora o desempenho comercial dos filmes, enquanto a ausência de rostos diversos nas telas pode reduzir o lucro dos estúdios em até 130 milhões de dólares por filme.

Para ranquear as produções, o grupo adotou um índice métrico chamado AIR (da sigla inglesa Authentically Inclusive Representation, ou Representatividade Verdadeiramente Inclusiva, em tradução livre), que mensura a diversidade de personagens e culturas de uma narrativa, dentro e fora das câmeras. Os pesquisadores compararam os resultados com o site Mediaversity Review, especializado em traduzir a diversidade nas telas em números, e alinhado às análises de sites como o Metacritic e Rotten Tomatoes. Com o índice pronto, cada filme recebeu uma nota, e uma “média de diversidade” foi estabelecida.

Os resultados indicam que filmes com grandes orçamentos, como os famosos blockbusters, não escapam da tendência e, na verdade, perdem proporcionalmente mais dinheiro do que os menores. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores dividiram os filmes em três categorias: os de alto, médio e baixo orçamento. Na primeira categoria, que compreende os longas com custo de produção acima de 159 milhões de dólares, a porcentagem de filmes abaixo da média de diversidade foi de 52%, número que se repetiu também na categoria mediana, com orçamentos de 15 a 78 milhões de dólares. Um longa produzido com 159 milhões de dólares, por exemplo, sem abordar protagonistas diversos, como mulheres, negros e não-americanos, pode perder mais de 32 milhões só na primeira semana de exibição, o que representa 20% de seu orçamento — valor que pode saltar para 82% durante todo o período em cartaz. Já um filme que despendeu de 78 milhões de dólares, ou seja, de orçamento médio, deixaria de arrecadar 71% desse valor, mesmo que a categoria tenha o mesmo percentual de diversidade.

A exemplo de comparação, Rogue One (2016), considerado acima da média de diversidade, dispendeu 200 milhões de dólares para ser produzido, e arrecadou 155 milhões na semana de estreia (77,5% do orçamento), enquanto Han Solo(2018), filme da mesma franquia abaixo da média no AIR, gastou 275 milhões de dólares para ser produzido, e recuperou 84,4 milhões na primeira semana, apenas 30,7% do valor gasto na produção e menos da metade de Rogue One. Nada é tão representativo nesse sentido quanto Pantera Negraque, mesmo sendo um dos maiores orçamentos do Universo Marvel (cerca de 200 milhões de dólares), conseguiu recuperar 100% na semana de estreia, com um elenco quase totalmente negro.

No cinema de baixo orçamento, 81% dos filmes analisados ficaram acima da média no quesito representatividade. A exemplo disso, Moonlight (2016), sobre um jovem rapaz negro, arrecadou 1,5 milhão de dólares na primeira semana, 37,5% do orçamento de 4 milhões, enquanto Lady Bird, protagonizado por uma mulher, embolsou 2,5 milhões de dólares, 25% dos 10 milhões gastos para produzi-lo.

“Nós nos perguntamos, qual o preço da falta de diversidade? Hollywood é um negócio, e nenhum negócio quer perder dinheiro”, disse Yalda T. Uhls, fundador do Center for Scholars and Storytellers – núcleo responsável pela pesquisa – em entrevista ao site Dealine. “Aumentar a representatividade numérica por trás e em frente às câmeras é importante, mas o ponto chave é realmente empoderar pessoas de diversas origens”.

Fonte: https://veja.abril.com.br/

Plano de Ação da Eletros

O objetivo geral do plano de ação é alinhar o Programa de Equidade e Diversidade ao Planejamento Estratégico da empresa voltado para a gestão dos seus recursos humanos, priorizando os seguintes valores organizacionais:

  • respeito aos direitos humanos valorizando a diversidade; e
  • manutenção de relações sociais e tomadas de decisões pautadas na ética e na responsabilidade.
AÇÕES DE GESTÃO DE PESSOAS AÇÕES DE CULTURA ORGANIZACIONAL
Utilizar de linguagem inclusiva nos cargos e avisos de processos seletivos Estimular a denúncia de práticas discriminatórias por questão de gênero e/ou raça e assédio moral e/ou sexual
Divulgar a promoção da equidade de gênero e raça nos processos seletivos Realizar atividades lúdicas e/ou interativas abordando os temas do programa
Promover treinamentos com foco em gênero e/ou diversidade racial Compor Fóruns de Discussão de Equidade e Diversidade
Divulgar a evolução do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça em dados estatísticos Disseminar boas práticas de Pró-Equidade de Gênero e Raça no Brasil
Incluir diretrizes de equidade profissional na Política de Gestão de Pessoas Valorizar a busca pela igualdade entre mulheres e homens em campanhas publicitárias
Atualizar periodicamente o Plano de Cargos, Carreiras e Salários Consolidar os princípios de Empoderamento das Mulheres
Atualizar periodicamente a metodologia de Remuneração Variável da empresa Sensibilizar fornecedores e empresas em que a Eletros possui participação societária quanto aos temas gênero e raça
Realizar pesquisa sobre ascensão funcional ou engajamento profissional
Manter a ampliação das licenças por nascimento de filhas(os) para mulheres e homens
Conceder auxílios creche e educação
Conceder auxílio psicopedagógico às(aos) empregadas(os) e dependente(s) portadores de deficiência física e/ou mental
Divulgar que a Eletros reconhece a união homoafetiva para efeito de concessão dos benefícios aos cônjuges
Avaliar a saúde de mulheres e homens respeitando suas diversidades biológicas
Complementar o salário no período de auxílio doença

Comitê Interno

Comitê Equidade e Diversidade da Eletros

O Comitê Interno de Equidade e Diversidade (COED) é composto por empregados da Eletros, indicados pela área de Gestão de Pessoal e Administração (GPA) e aprovados pela Diretoria Executiva da Eletros (DEE).

Este Comitê tem a finalidade de construir, acompanhar e aprimorar os processos que viabilizem boas práticas em pró-equidade de gênero, bem como demonstrar os indicadores de atingimento de melhorias alcançados através do plano de ação do Programa de Equidade e Diversidade.

Este comitê possui um regimento próprio de funcionamento, disponível na intranet da Eletros.

Membros do Comitê de Diversidade e Equidade da Eletros
Elaine Oliveira(GPA)
Joyce Oliveira (GCO)
Marcos Nunes (GTI)
Stelen Siva (GRE)

Tels e endereços úteis

 Centro de Atendimento à Mulher

Ligue 180
Atendimento 24 horas

 

 Disque-denúncia Mulher (DD Mulher)

(21) 2253-1177
Atendimento 24 horas

 

 Ouvidoria da Mulher – SPM-PR

(61)3313-7367 / 7396 / 7398 / 7399
Email: ouvidora@spm.gov.br

 

 Ouvidora Nacional de Igualdade Racial

(61) 2025-7003
Email: ouvidoria@seppir.gov.br

 

 Casa da ONU

(61) 3038-9280
Email: onumulheres@unwomen.org

 

 Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher

 

Niterói
Endereço: Av. Amaral Peixoto, 577 – Centro
(21) 3399-3701/ 3399-3700/ 3399-3703/ 3399-3698

 

Nova Iguaçu
Endereço: Rua Joaquim Sepa, 180 – Marco II
(21) 3779-9555/3779-9543/3779-9168/3779-9184

 

São Gonçalo
Endereço: Avenida 18 do Forte, 578 – Mutuá
(21) 3399-3730/ 3399-3733/3119-3515/3119-3882

 

Rio de Janeiro

Endereço: Av. Visconde do Rio Branco, 12- Centro
(21) 2332-9994/2334-9859/2332-9996/2224-6643

 

Endereço: Av.Maria Teresa,lote 8 – 2º andar – Campo Grande
(21) 2332-7644/7648/7645/7638/7649

 

Endereço: Rua Tenente José Dias,344 – Duque de Caxias
(21) 2775-1549/2671-7757

 

Endereço: Av. Retiro da Imprensa, 800, Bairro Piam – Belford Roxo
(21) 3771-1135/3771-1894/3771-1475

 

Endereço: Rua Henriqueta, 197 – Largo do Tanque – Jacarepaguá
(21) 2332-2578/2332-2575/2332-2574/2332-2580/2332-2581

 

Endereço: Rua General Nilton Fontoura, 540,Jardim Paraíba- Volta Redonda
(24) 3337-5538/3339-2429/3337-9569/3337-538/3339/2169